Rua Condor, Nº351, Arapongas, Paraná - Brasil
43 3055-3504
rappublicidade@gmail.com

O Panfleto resolve tudo!! O Panfleto é a Solução!!

Agência Marketing

O Panfleto resolve tudo!! O Panfleto é a Solução!!

Panfleto é a Solução

Panfletos porta a porta Rap Panfletagem

Profissional em distribuição de folhetos

"Dor de dente? Há um bom dentista nas proximidades!" "Talvez um remédio ajude: conhecemos a farmácia com os melhores preços!" "Sem dinheiro? Nós temos a solução, dá até para escolher!" "A dúvida é em quem votar? Para todos esses assuntos, sempre há um panfletista para lhe ajudar!"

Um pouco sobre esta ferramenta..

A panfletagem constitui-se numa marca da imprensa brasileira desde o século XIX. Desde esse período, esse tipo de comunicação fez a crítica social e influenciou o ambiente político do país por meio da denúncia, da cobertura engajada dos fatos e da panfletagem política e sindical (BEHS ; CAMPOS; WAINBERG, 2002; PENNA, 2003). A origem do vocábulo, segundo Penna (2003), parece encontrar-se no século XII, na Inglaterra, por ocasião da circulação de um pequeno poema de amor, anônimo e escrito em latim, com o nome de pamphilus, cuja popularidade levou a palavra a ser traduzida para o inglês pamphlet. No Brasil dos anos 1970, O Pasquim, um órgão da imprensa alternativa, primeiramente circulando no eixo Rio/São Paulo, foi quem mais utilizou esse tipo de linguagem.

Esse tipo de comunicação prestava-se também, principalmente para os partidos de massa, à conscientização, mobilização e organização do eleitorado e não apenas à persuasão propriamente dita (RIBEIRO, 2004). Porém, na medida em que as sociedades ocidentais converteram-se em sociedades midiáticas, em vez de panfletagem na porta de fábricas, houve a conversão para os programas televisivos exibidos aos operários em suas casas, produzidos de acordo com pesquisas que identificavam suas demandas e preocupações específicas. Assim, o discurso televisivo assumiu a função de referência modeladora do discurso político, agindo como força estruturante das propagandas via rádio, cartazes, jornais, panfletos e, até mesmo, comícios e demais mobilizações de massa (RIBEIRO, 2004). Silva (1999) analisou 79 folhetos de propagandas de 25 escolas de línguas que foram coletados nas sedes das próprias escolas ou recortados de jornais. Essa autora mostra que as propagandas se utilizam de recursos persuasivos que não estão relacionados com ensino e aprendizagem, e sim com vendas apenas. Observou também que, no geral, esses folhetos apresentam seu produto de maneira semelhante aos de supermercado. A visão de ensino-aprendizagem, quando veiculada, aparece num plano superficial apenas. O professor não ocupa lugar de destaque como mediador do processo ensino-aprendizagem.

Hoje, os panfletos têm como objetivo persuadir o transeunte, no sentido de induzi-lo a comprar serviços, objetos, escolher candidatos a cargos eleitorais, entre outros, ou seja, alterar a probabilidade de seu comportamento como consumidor.

One Response

  1. […] publicitário ora disciplinada deve ser feita por funcionários sob a responsabilidade das empresas cadastradas no município devidamente uniformizados com identificação visual do número do telefone e endereço da […]

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: